Como apresentamos as pessoas umas às outras?

Na vida profissional, mais ainda que nos contatos exclusivamente sociais, é importante saber apresentar as pessoas.

Os executivos mais graduados devem dar o exemplo para ser seguido por todos os escalões da empresa. Quando a secretária entrar no escritório onde está sendo recebida uma visita, se aquela permanecer por algum tempo ali, o chefe dirá “Doutor Oliveira, Maria Cecília, minha secretária”. Ela cumprimentará essa visita, mas não estenderá a mão. O nome da pessoa precede a função, porém quem ocupa cargos de alta direção será apresentado formalmente numa recepção como “o vice-presidente da XYZ, Fulano de Tal”.
A regra social de apresentar um jovem a uma pessoa de mais idade, um homem a uma mulher não vale para o mundo dos negócios.

No mundo dos negócios, o que vale é a hierarquia e, quando ela não for seguida, será propositalmente para destacar a pessoa mais velha ou a senhora numa manifestação de cortesia.

O pessoal interno será apresentado ao visitante, assim o diretor dirá ao jovem executivo ou ao cliente apresentando um colega de direção: “Marcelo, Luciana Medeiros, nossa gerente de marketing. Marcelo Soares é chefe de compras da Libéria Cia”.

O novo companheiro é introduzido no grupo pelo chefe do setor. Quando isso não ocorre, quem fica mais próximo se apresenta: “Sou Fulano de Tal, seja bem vindo”. O recém chegado agradece fazendo sua auto-apresentação. Com estes gestos formais fluirá um relacionamento cordial.

Visitas de parentes e amigos no local de trabalho, dependendo do tipo de atividade e regime interno, podem ocorrer. “ Luiz, gostaria de te apresentar minha mãe. Luiz Gonçalves é nosso chefe de setor “.

Numa apresentação rápida, não é necessário o aperto de mão. Caso isso ocorra, a iniciativa será daquele a quem está sendo feita a apresentação. Nesse exemplo é Luiz Gonçalves.

Ao esquecer o nome de alguém, mesmo assim a apresentação deve ser feita , sendo preferível dizer: “Por favor, diga-me seu nome completo” ao trágico “Esqueci seu nome”.

Não entendendo um sobrenome é até sinal de interesse pedir que a pessoa o repita. Quem tem um nome complicado pode deixar seu interlocutor mais à vontade completando a resposta cordialmente. “Meu nome é mesmo complicado e estou habituado a repeti-lo: S-t-r-a-s-l-i-n-s-k-i.”

No mundo dos profissionais apresentar uma pessoa antepondo seu título ao nome é muito importante, por isso diz-se “Doutor Fulano de Tal” a quem é advogado, médico ou engenheiro.

HR Hunter, Consultoria de Recursos Humanos do Rio de Janeiro, tem como expertise: Recrutamento e Seleção, Treinamento Comportamental, Plano de Cargos e Salários, Pesquisa de Clima e Coaching.