Dinâmica de Grupos: uma das técnicas mais eficazes nos processos seletivos

Dinâmica de grupo é uma palavra grega que significa força, energia, ação. Foi usada pela primeira vez por K. Lewin em 1970. Na sua origem, dinâmica de grupo era um objeto de investigação, onde visava o maior conhecimento da origem, natureza e evolução. Seu objetivo hoje é desenvolver a percepção clara das habilidades necessárias ao selecionador para fazer uso de jogos, dinâmicas e vivências situacionais, para identificar competências dos participantes em processos seletivos de forma eficaz, usando exercícios específicos e criativos para avaliação de seus conhecimentos, habilidades e atitudes.

A dinâmica é um processo que conduz ao desenvolvimento das pessoas através das trocas entre suas semelhanças e diferenças, sendo, portanto, um caminho para o relacionamento e integração. É uma técnica muito abrangente, podendo ser utilizada em diversas situações, como treinamentos, desenvolvimento, integração de pessoas e processos seletivos. É fundamental para o desenvolvimento e mudança de comportamento, além de identificar como a pessoa age em grupo. Um trabalho desenvolvido em grupo é um trabalho de interação, onde há trocas de ideias, de sugestões, visando alcançar um objetivo comum.

Em Processos Seletivos as dinâmicas são atividades que visam descontrair, “desarmar” o candidato, para que o Recrutador possa conhecer melhor os participantes. Nas dinâmicas, os candidatos deixam transparecer suas características e, portanto, é possível identificar quem é empreendedor, metódico, ágil, proativo, dinâmico, criativo e etc., mostrando como trabalham em equipe. Não existe melhor ou pior candidato, mas sim o que tem o perfil mais adequado à vaga e isto pode ser analisado a partir da sua participação durante a atividade.

A dinâmica de grupo é uma das técnicas mais utilizadas nos processos seletivos e uma das mais eficazes. Ao contrário do que alguns candidatos possam pensar, não se trata de uma “brincadeira“, mas sim uma técnica que é um excelente instrumento de avaliação, onde podemos avaliar espírito de equipe, liderança, facilidade de comunicação e de lidar com pressões externas, capacidade de agregar para a organização, flexibilidade, participação efetiva na busca de resultados, criatividade, inovação, equilíbrio emocional, ambição, entre outros.

Quando os candidatos forem convocados para participar do processo

seletivo, o profissional deve ter um planejamento prévio de todas as etapas deste, tais como técnica utilizada, duração e data. O candidato também deve ser informado de todas as etapas do processo para que possa também se organizar. No início da atividade (encontro), deve ser feito o Contrato de Grupo, também chamado de Contrato Psicológico. Trata-se de uma discussão de suma importância, onde serão levantadas as definições de normas internas do grupo, como o que é permitido e proibido durante o curso da atividade, o horário de intervalo, a duração e o horário de término, a metodologia do trabalho que será utilizada, o sigilo de informações, entre outros.

A dinâmica de grupo pode ser, para alguns, uma vilã nos processos seletivos, seja por falta de habilidade do facilitador ou até mesmo por resistência de alguns candidatos, medo da exposição, da não aceitação, etc. Sendo assim ela requer maturidade do profissional de RH que irá conduzi-la, respeitando sempre o candidato. Se isso não ocorrer, o processo seletivo poderá cair no descrédito. Faz-se necessário então salientar que este profissional tenha experiência vivencial na condução de grupos, que ele saiba o que observar e como validar o comportamento;

Que tenha domínio da técnica e a fundamentação teórica; que nunca se atrase para iniciar o processo seletivo; que saiba fazer escolhas que estejam diretamente associadas aos seus objetivos; que tenha clareza no convite das técnicas e acima de tudo, que não esqueça dos princípios básicos da ética profissional e pessoal, pois estará lidando com pessoas.

Referências Bibliográficas

MILITÃO, Albienor; Militão, Rose. S.O.S Dinâmica de grupo. Rio de Janeiro: Qualitymark. Editora, 1999.

Ângela Góes. Fonte: Globo online http://www.zap.com.br/empregos;dicas SALERNO, Mário Sérgio. Projeto de Organizações Integradas e Flexíveis: processos, grupos e gestão democrática via espaços de comunicação e negociação. São Paulo, Atlas, 1999.

HR Hunter, Consultoria de Recursos Humanos do Rio de Janeiro, tem como expertise: Recrutamento e Seleção, Treinamento Comportamental, Plano de Cargos e Salários, Pesquisa de Clima e Coaching.