Previna-se dos erros mais comuns de uma dinâmica de grupo

Recentemente recebi um telefonema de uma amiga perguntando se eu poderia auxiliar seu filho na busca por um estágio pois apesar de fazer Engenharia em uma Universidade de primeira linha, ele não conseguia uma boa oportunidade no mercado.

Na nossa conversa foi identificado que ele não conseguia avançar da etapa da Dinâmica de Grupo. Assim, seguem algumas dicas a fim de auxiliar quem está com esta mesma dificuldade.

Sabemos que em um processo seletivo existem as competências técnicas e as competências comportamentais. Nos Programas de Estágio, espalhados pelas empresas e Consultorias, um dos primeiros “cortes” são as Universidades e o conhecimento dos idiomas.

Você, aluno de Graduação, que passou pela etapa inicial de ter seu currículo selecionado e fazer provas ( idiomas, português, raciocínio lógico ou outras) via web, a próxima etapa poderá ser uma Dinâmica de Grupo ( a ordem das etapas pode sofrer alterações de acordo com a empresa, número de candidatos, entre outras variáveis).

Em uma Dinâmica de Grupo um primeiro entendimento é saber que algumas vezes o motivo pode estar relacionado muito mais com algum deslize seu do que com a capacidade que você tem para ocupar a vaga tão esperada.

Vamos aos dez principais erros cometidos numa dinâmica de grupo:

1. Não se manifestar verbalmente na dinâmica. Entrar mudo e sair calado! O objetivo da Dinâmica de Grupo é avaliar as pessoas. Se você não expressa sua opinião, como será possível sofrer uma avaliação?

2. Se o candidato chega à Dinâmica de Grupo e não sabe o que a empresa faz, transparece que não teve interesse em buscar informações sobre a companhia. Se existe conhecimento sobre a empresa há maior identificação e mais motivação dos candidatos.

3. Vestuário inadequado. O essencial é saber qual é o perfil da empresa para não errar. Para as mulheres o mais importante é tomar cuidado com saias e vestidos, além da maquiagem excessiva. Os homens devem evitar camisas coladas, calças jeans com muitos bolsos e o boné, que é inadmissível. Cores fortes, brilhos e acessórios vistosos também são mal vistos pelos selecionadores.

4. Falar mal da empresa ou chefe anterior. Complicado um candidato que está em busca de novas oportunidades falar mal da empresa na qual trabalha ou falar do atual chefe. Fica perceptível a postura errônea desta pessoa e a falta de ética. Existem outras maneiras de falar, o momento e a forma certa de colocar um ponto de vista. De imediato passa imagem negativa.

5. Fingir comportamentos. Inventar algo que não existe é uma forma negativa de tentar passar numa dinâmica de grupo. Se os observadores forem experientes, esta ação é percebida na hora. A dinâmica faz parte de um conjunto, e desta forma, manter postura fictícia não é fácil e pode contradizer com as atitudes e comportamentos. Os exercícios estimulam uma expressão espontânea e o candidato com postura irreal não vai ficar a vontade, ter criatividade e naturalidade.

6. Supervalorização de si. Algumas características são fatais. O candidato que se supervalorizar olhará para o grupo com visão superior. Porque ele é de escola ou faculdade melhor, fala idiomas e já viajou, pode chegar se achando o máximo e se julgar mais valorizado. Por mais sutil que seja, é perceptível e condenado pelas organizações. Muitas vezes não precisa nem falar, a própria postura da pessoa condiz com esta atitude. Hoje em dia a boa formação é considerada um diferencial, mas a competência comportamental também precisa ser desenvolvida.

7. Currículo com informações mentirosas. Quem está procurando vaga deve apresentar conhecimentos reais no currículo, pois qualquer informação falsa pode ser percebida na dinâmica. Colocar inglês fluente e não falar, ter conhecimento em informática e o mesmo não existir, o desclassificará do processo. Na seleção, o candidato dá ênfase nos conhecimentos que mais domina, quando a dinâmica pede alguma atividade mais complexa, que exija os conhecimentos na prática, há chances de não se dar bem.

8. Falta de postura. O compromisso profissional é observado o tempo todo. Tudo o que o candidato faz pode ser usado contra ou a favor dele. Chegar no horário, respeitar o local em que está, responder quando é chamado, fazer perguntas quando houver oportunidade, são fatores que precisam ser respeitados e, também, são valorizados pelos selecionadores. Quando não acontece, o candidato deixa uma imagem ruim. Na dinâmica de grupo ‘compramos’ alguém e a pessoa se ‘vende’.

9. Conversas paralelas. Prestar atenção enquanto o colega se expõe é questão de respeito. Geralmente as turmas são grandes e requer paciência até todos se apresentarem. Evitar conversas com pessoas próximas mostra que existe foco com quem dirige a dinâmica ou com quem interage no momento. Deste modo, o candidato demonstra atenção, respeito, ética e profissionalismo. Quando há conversas, o selecionador pode interpretar como atitude de candidato sem concentração em suas ações e até como falta de educação com o próximo. Na maior parte das vezes o selecionador não vai chamar a atenção de quem tem esse comportamento, mesmo porque o objetivo é fazer com que as pessoas se mostrem como elas são.

10. Não dar importância ao trabalho da equipe. Quando o candidato trabalhou pouco há dificuldade de lidar com atividades em equipe pelo fato de ainda não ter experiência. Numa dinâmica é necessário entender de hierarquias, pessoas e como trabalhar em grupo.”

Tags: dinâmica de grupo liderança persuasão curriculum curriculo cv curriculum vitae dicas recolocação recursos humanos rh vagas empregos entrevistas carreira idiomas formação acadêmica objetivo profissional recrutamento e seleção Mercado de Trabalho Profissionais Experientes

HR Hunter, Consultoria de Recursos Humanos do Rio de Janeiro, tem como expertise: Recrutamento e Seleção, Treinamento Comportamental, Plano de Cargos e Salários, Pesquisa de Clima e Coaching.